Artigo de Opinião “A Educação para o Portugal 2030” (Revista SPOT)

Por Bruno Silva

Publicado na Revista SPOT

O Governo português definiu a área da Qualificação, Formação e Emprego como uma das áreas prioritárias para o desenvolvimento do país nos próximos 10 anos, tendo como objectivo prioritário assegurar a disponibilidade de recursos humanos com as qualificações necessárias ao processo de desenvolvimento e transformação económica e social nacional, assegurando a sustentabilidade do emprego, ou seja, recursos humanos que ajudem Portugal a ser uma economia mais inovadora, mais competitiva e mais global.

Ao nível da Qualificação e Formação um dos pilares passa pela Educação e Formação de Jovens visando o combate ao abandono e insucesso escolar, o alinhamento das vias profissionalizantes no secundário com as novas especializações pretendidas pelo mercado laboral, a formação superior de curta duração para novas profissões e a formação avançada.

Em termos de Qualificação e Formação de Adultos, a reconversão para novas competências é uma prioridade e importa acrescentar também a necessidade de se apostar mais no reconhecimento, validação e certificação de competências dos adultos que têm muita experiência e aprendizagens ao longo da vida, devendo existir maior divulgação deste tipo de processos por parte do Governo e da rede de Centros Qualifica, além de o processo de diagnóstico e de acompanhamento dos adultos necessitarem de melhorias significativas face ao que se vai passando no terreno, sendo necessário melhorar o número de adultos envolvidos e certificados ao nível do Programa Qualifica.

O Governo anunciou que o orçamento para este Programa Qualifica iria abranger cerca de 200 milhões de euros investidos no período 2017-2020, num total de 300 Centros Qualifica espalhados pelo país. Segundo a ANQEP – Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, neste momento os adultos certificados não chegam aos 200 mil em cada ano, e a este ritmo seriam necessários 25 anos para certificar as competências escolares e profissionais de mais de 5 milhões de pessoas, atendendo a que apenas existem em Portugal 3 milhões e 700 mil pessoas (com mais de 15 anos) que têm o ensino secundário ou superior concluídos, de acordo com a Pordata, ou seja, 42% de um total de 8 milhões e 900 mil pessoas nessa faixa etária.

Esta é a pior métrica que Portugal apresenta nas áreas críticas para o desenvolvimento do país, e é uma métrica péssima comparando com os restantes países da União Europeia. Se analisarmos as estatísticas do Eurostat relativamente a cada país da União Europeia ao nível escolaridade da população (entre os 25 e os 64 anos), é possível perceber que Portugal está na cauda da europa com apenas 52% da população nessa faixa etária a ter concluído o ensino secundário e/ou superior, estando a média da europeia nos 78%, e apenas 5 países estão abaixo da média europeia: Grécia, Itália, Espanha, Malta e Portugal!

Para a inovação de uma região é fundamental o acesso a tecnologia e a conhecimento de qualidade, e nesse sentido continuando-se a apostar numa política que tem dificultado a educação e certificação de adultos dificilmente Portugal conseguirá melhorar significativamente a sua competitividade nos próximos anos.

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach,Consultor, Formador e E-Formador, desde 2009, em projectos financiados e não financiados como é o caso de projectos conjuntos formação – acção (AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CTP, CCP), projectos individuais SI Qualificação / Inovação / Internacionalização (QREN e P2020),  Empreendedorismo no Feminino (CIG), Cursos de Especialização Tecnológica, Formações Modulares e de Vida Activa, entre outro tipo de projectos, na InnovMark, colaborando em parceria com Instituições de Ensino Superior, Associações Empresariais e de Desenvolvimento Regional, Entidades de Consultoria e de Formação Profissional DGERT.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 90.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2013, do “Dish Mob Portugal“, movimento cívico que promove o espírito “Dish Mob”, sendo um movimento nacional importante na promoção do networking e de aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo de base local, com cerca de 40 eventos realizados a nível nacional.

Licenciado em Gestão (Univ. Minho – 2004), Pós-Graduação em Marketing (IPAM – 2006), Mestrado (Parte Curricular) em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento (Univ. Aveiro – 2007) e Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica (Univ. Aveiro – 2007)

Experiência nas seguintes temáticas: Gestão de Empresas, Inovação, Empreendedorismo, Marketing, Vendas, Comunicação de Marketing, Marketing Digital, Marketing em Social Media, Marketing Inovador, Internacionalização, Marketing Internacional, Negócios Internacionais, Recursos Humanos, Coaching Comercial, Coaching a Empreendedores e a Executivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.