Artigo de Opinião “Os 6 Pilares da UE para o Plano de Recuperação e Resiliência” (Revista SPOT)

Por Bruno Silva

Publicado na Revista SPOT

O Plano de Recuperação e Resiliência (PPR) irá apostar em domínios de intervenção estruturados em 6 pilares relevantes da UE onde se incluem a transição ecológica; a transformação digital; o crescimento inteligente sustentável e inclusivo; a coesão social e territorial; a saúde e resiliência económica, social e institucional; e por fim as políticas para a próxima geração – crianças e jovens.

Estes 6 Pilares relevantes da UE vão ser transversais aos 3 eixos de intervenção em Portugal: Resiliência, Transição Climática e Transição Digital.

Em termos de Resiliência vão existir 9 Componentes de investimento onde estão incluídos o Serviço Nacional de Saúde, a Habitação, as Respostas Sociais, a Cultura, a Capacitação e Inovação Empresarial, as Qualificações e Competências, as Infraestruturas, as Florestas e a Gestão Hídrica.

Em termos de Transição Climática vão existir 6 Componentes de investimento onde estão incluídos o Mar, a Descarbonização da indústria, a Bioeconomia Sustentável, a Eficiência Energética dos Edifícios, o Hidrogénio e Renováveis e também a Mobilidade Sustentável.

Em termos de Transição Digital vão existir 5 Componentes de investimento onde estão consideradas as Empresas 4.0, a Qualidade e Sustentabilidade das Finanças Públicas, a Justiça Económica e Ambiente de Negócios, a Administração Pública mais Eficiente e por fim a Escola Digital.

Recentemente o Primeiro Ministro referiu que as empresas devem começar a preparar as suas candidaturas para aceder aos fundos comunitários no âmbito do PPR, no entanto ainda não se sabe nada sobre o cronograma atempado dos diversos avisos e sobre eventuais candidaturas, sobre aos critérios de elegibilidade das empresas, elegibilidade da tipologia dos investimentos, prazos de candidatura e de execução dos investimentos, taxas de co-financiamento a fundo perdido e/ou linhas de crédito, dotação orçamental por tipologia de investimento ou por áreas geográficas, critérios de mérito para aprovação dos projetos, e objetivos a alcançar em cada tipologia de investimento empresarial.

Sem essas informações nenhuma empresa pode preparar nenhuma candidatura para a realização de um projeto de investimento e adequar esses investimentos à sua gestão estratégica e operacional, a não ser que se pretenda incentivar candidaturas a investimentos realizados em cima do joelho, sem grande meritocracia ou sem grande sustentabilidade.

Esperemos que exista uma alteração e uma clarificação no discurso político a nível nacional e que finalmente os atores económicos possam definir investimentos com regras claras e comunicadas atempadamente, com prazos de candidatura e de execução conhecidos com a devida antecedência, com prazos de avaliação das candidaturas muito mais céleres do que tem acontecido, e cujos investimentos apostem sobretudo na inovação, na qualificação de recursos humanos e na internacionalização da economia.

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor, Formador e E-Formador, desde 2009, em projectos financiados e não financiados como é o caso de projectos conjuntos formação – acção (AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CTP, CCP), projectos individuais SI Qualificação / Inovação / Internacionalização (QREN e P2020),  Empreendedorismo no Feminino (CIG), Cursos de Especialização Tecnológica, Formações Modulares e de Vida Activa, entre outro tipo de projectos, na InnovMark, colaborando em parceria com Instituições de Ensino Superior, Associações Empresariais e de Desenvolvimento Regional, Entidades de Consultoria e de Formação Profissional DGERT.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 90.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2013, do “Dish Mob Portugal“, movimento cívico que promove o espírito “Dish Mob”, sendo um movimento nacional importante na promoção do networking e de aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo de base local, com cerca de 40 eventos realizados a nível nacional.

Licenciado em Gestão (Univ. Minho – 2004), Pós-Graduação em Marketing (IPAM – 2006), Mestrado (Parte Curricular) em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento (Univ. Aveiro – 2007) e Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica (Univ. Aveiro – 2007)

Experiência nas seguintes temáticas: Gestão de Empresas, Inovação, Empreendedorismo, Marketing, Vendas, Comunicação de Marketing, Marketing Digital, Marketing em Social Media, Marketing Inovador, Internacionalização, Marketing Internacional, Negócios Internacionais, Recursos Humanos, Coaching Comercial, Coaching a Empreendedores e a Executivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.